segunda-feira, 18 de junho de 2018

cross my heart


Melody's Echo Chamber - Cross My Heart (Bon Voyage, 2018)
Pond - The Weather (The Weather, 2017)
Chew - Numerology (A Fine Accoutrement, 2017)

[FREEZE!:// Here Lies Man - You Will Know Nothing (2018)]
Blindness
Hell (Wooly Tail)
Animal Noises

Dungen - Andarnas Krig (Häxan, 2016)

Crónica : Portugal Psicadélico por Paulo Castelão

Liquid Sound Company - Liquid Sound Freedom (Acid Music For Acid People, 2011)

domingo, 17 de junho de 2018

Here Lies Man - You Will Know Nothing (Easy Rider Records, 2018)



Desde o virar do século que a carreira do nova-iorquino Marcos García se tem concentrado em tentar manter a chama do afrobeat acesa na música moderna, quer pela sua participação no colectivo Antibalas quer pelos seus discos a solo. E enquanto nos Antibalas se praticavam sonoridades mais tradicionais do afrobeat, nesses trabalhos a solo assinados sob a alcunha musical de Chico Mann era evidente o mesclar dessas sonoridades étnicas com tendências mais electrónicas, nomeadamente a corrente musical do synth-funk. No ano passado, após se ter mudado para Los Angeles, a atenção do músico voltou-se para o rock. Mais especificamente, para a corrente revivalista do garage-rock psicadélico que tem originado bandas como os Fuzz, os Wand ou os Meatbodies. Criou assim os Here Lies Man, cujo som pode ser sucintamente descrito com uma mistura de Fela Kuti e Black Sabbath. Descrição apelativa que serviu para promover o primeiro disco homónimo da banda, lançado em Abril do ano passado. 

No entante, apesar de tal disco ter passado algo despercebido aos olhares das grandes publicações musicais, a verdade é que a sua ressonância fez-se sentir um pouco por toda a blogosfera, o que só abona a favor da qualidade musical de tal estreia auspiciosa. Pegando na fórmula rítmica do afrobeat e adicionando riffs corrosivos de guitarra eléctrica - sem descurar nos correspondentes efeitos de feedback e reverb -, o calcanhar de Aquiles desse LP de estreia manifestava-se através da natureza algo repetitiva das suas composições e nas interjeições vocais algo esporádicas, dado que havia uma maior preocupação em gerar ideias mais instrumentais que líricas. E embora tal estrutura reitirada se mantenha em "You Will Know Nothing", há igualmente um empenho revigorante da banda em se inspirar não só nos clássicos obscuros do rock norte-americano e nigeriano da década de 70 mas também em projectos mais modernos, como os suecos Goat ou os britânicos Uncle Acid & the Deadbeats

O resultado é um disco conciso e energético, ocasionalmente pontuado por prólogos/epílogos de índole mais psicadélica. "You Will Know Nothing" é portanto o difícil segundo disco de uma banda invulgar que servirá mais como cartão de visita inicial para a grande maioria. Como tal, um destaque Freeze! que primeiro se estranha e depois se entranha e que merece a devida oportunidade de ser descoberto pelos ouvintes do Fahrenheit 107.9 esta semana. 

Pedro Nora

quarta-feira, 13 de junho de 2018

all that jazz



Fleetwood Mac - Coming Your Way (Then Play On 1969)
Loosense - Whest Ghost (Doze 2018)
Witchwood - Farewell to the Ocean Boulevard (Litanies From the Woods 2015)

[FREEZE!://Beach Skulls - Las Dunas (2018)]
Sacred Citrus
Ain’t Easy

One Shot - Missing Imperator (Ewaz Vader 2006)
Ghost - Miasma (Prequelle 2018)

terça-feira, 12 de junho de 2018

Las Dunas Sealab: Alone, Immobile & Playing Patience. The Liberation Comes With Sunshine Reverberation!



(2018) Sun Dog - Playing Patience
(2018) Sunshine Reverberation - Experimental Semantics
(2018) Sealab - Open Mind

FREEZE! Beach Skulls - Las Dunas (2018) PNKSLM Recordings 
Soma Holiday
Sun 
Ain't Easy 

(2016) Josefin Öhrn + The Liberation - Rushing Through My Mind
(2018) Rosaire - I Am Alone
(2018) Firefriend - Surface To Air
(2018) Sinaïve - Immobile

Sonya SP
Podcast!

segunda-feira, 11 de junho de 2018

our raw heart


High Priestess - Take The Blame (High Priestess, 2018)
Earthless - End To End (Black Heaven, 2018)
Graveyard - The Fox (Peace, 2018)
Mr Bison - Holy Oak (Holy Oak, 2018)

[FREEZE!://Beach Skulls - Las Dunas (2018)]
Come Undone
Interlude
Sacred Citrus


Witch Mountain - Nighthawk (Witch Mountain, 2018)
YOB - Beauty In Falling Leaves (Our Raw Heart, 2018)

domingo, 10 de junho de 2018

FREEZE! Beach Skulls - Las Dunas (2018) PNKSLM Recordings




Às portas da época estival, buscando uma solução/inspiração sonora de fundo, não para uma dança da chuva, mas para um Hula Ku'i capaz de captar a atenção do semi-desaparecido astro rei Sol e convencê-lo a visitar terras lusas com um pouco mais de frequência - decidimos chamar os xamãs de serviço Beach Skulls e dar o merecido destaque FREEZE! ao seu segundo e mais recente trabalho - Las Dunas - panaceia recomendada, em doses moderadas, para os nostálgicos veraneantes ansiosos por calor...

Formados em 2011, os Beach Skulls, são um trio composto por Ry Vieira (voz e guitarra)Jordan Finney (bateria) e Dan West (baixo). Evocam com a sua música imagens de climas mais quentes, sem perder pista do enraizado estilo lírico mancuniano, sombrio, reflexo da região de onde são oriundos - nordeste da Inglaterra - país onde por norma impera, Estios dados ao frescor, nebulosidade e precipitação, muito mais convidativos a viver o Verão na acalmia campestre e verdejante do que numa praia cinzentona, fria e chuviscante. É assim que a geografia e a inspiração fazem dos Beach Skulls especialistas na arte de (tele)transportar-nos para o imaginário das costas ora exóticas e paradisíacas, ora luminosas e solarengas da Califórnia, do Hawaii ou mesmo da Austrália, através da sua música, com claras influências do garage rock/pop, algum psicadelismo, punk e dream pop, até mesmo com alguns pozitos do grunge contemporâneo de Kurt Cobain, sem nunca perder o norte do principal referente deste trio inglês: Dick Dale - guitarrista norte-americano, criador pioneiro do surf rock.

Las Dunas, álbum editado a 1 de Junho com selo da PNKSLM Recordings, marca uma nova etapa para a banda, que contempla mudar-se permanentemente para Barcelona até o final deste Verão, por considerar ser o seu verdadeiro habitat natural, muito mais condizente com a sua estética ensolarada, com o clima e com o estilo de vida descontraído, sempre rodeado de grande manifestação artística. Em Las Dunasas melodias são difusas e arenosas, com um cunho Lo-Fi desalinhado e de surf rock soalheiro, por vezes mal-humorado, sem fixação por uma época ou género musical específico. O título em espanhol é uma homenagem às obras de arte e fotografia produzidas no sul dos Estados Unidos que inspiraram Finney em particular, bem como à obra literária Duna de Frank Herbert, lida entre pausas, durante a produção do álbum. 

O sucessor do disco de estreia Slow Grind de 2016, foi feito sem pressões nem grandes pressas, com o devido tempo para sentar e beber algumas cervejas e tentar coisas diferentes, em suma profundizar.  A paleta sonora foi estendida e houve um maior esforço para diversificar em termos líricos - para trás ficam as canções sobre amor, para avançar com letras um pouco mais filosóficas, mais instigantes e mais centradas na omnipresença dos média, da ansiedade que causam e na luta pela positividade, traçando um olhar mais amplo sobre a sociedade actual, batalhando contra a sensação letárgica de ver a vida passar num ápice.

Las Dunas dos ingleses Beach Skulls é o disco sugestão para afugentar nuvens cinzentas e morrinha, a escutar e explorar ao longo desta semana no Fahrenheit 107.9, de 2af a 6af no éter da Rádio Universidade de Coimbra, na frequência dos 107.9 FM  ou para todo o mundo através de ruc.pt


Sonya SP

quarta-feira, 6 de junho de 2018

redeem our souls lord lucifer



Ghost - Faith (Prequelle 2018)
Sabbath Assembly - Judge of Mankind (Restored to One 2010)
Orchid - Electric Father (Capricorn 2011)
Devil Electric - The Dove & The Serpent (Devil Electric 2017) 
Devil’s Blood - Christ or Cocaine (The Time Of No Time Evermore 2009)

[FREEZE!://Graveyard - Peace (2018)]
Low

Rush - The Necromancer (Caress of Steel 1975)
Purson - The Contract (The Circle and the Blue Door 2013)
Whitchcraft - Chylde of Fire (Firewood 2005)